A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Notícias Aliança / Greve dos bancários não tem prazo para terminar

Greve dos bancários não tem prazo para terminar

Bancários reclamam que suas reivindicações não foram atendidas

Greve dos bancários não tem prazo para terminarEntrando no 22º dia, a greve dos bancários não tem prazo para terminar.  A categoria pede reajuste de 14,78% – o que representa 5% acima da inflação do período -, mas os bancos ofereceram aumento salarial de 7% e abono de R$ 3,3 mil, proposta essa que foi recusada. Até a manhã de ontem, não havia nenhuma nova mesa de negociação agendada entre bancários e a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos). “A gente tem as nossas principais reivindicações. Além do reajuste, queremos melhores condições de trabalho, com contratação de mais bancários, abertura de novas agências e garantia de mais segurança nas agências”, declarou Rosalina Amorim, presidente do Sindicato dos Bancários do Pará.

A entidade negocia diretamente com o Banco do Estado do Pará (Banpará) e Banco da Amazônia, mas as conversas com essas duas instituições financeiras também não avançaram. Segundo Rosalina, elas aguardam a posição da Fenaban antes de dar uma resposta à categoria. “Não tem mesa marcada (com a Fenaban), então a greve não tem previsão de terminar”, afirmou Rosalina.

Ela explica que a categoria também espera reajuste em outros benefícios, como tíquete alimentação e auxílio creche. Ano passado, de acordo com Rosalina, a greve dos bancários durou 26 dias. A paralisação mais demorada que ela recorda foi a de 2004, que chegou a 30 dias.

PROBLEMAS

Enquanto a paralisação dos bancários não acaba, muitas pessoas vêm enfrentando problemas por falta de atendimento. É o caso do administrador Marcelo Coelho de Souza, de 59 anos, que também é síndico do condomínio em que mora. Ele está tentando recolher os encargos sociais do condomínio, mas enfrenta dificuldades por causa de um problema na documentação e procurou uma agência da Caixa Econômica, na manhã de ontem. “Eu vim, na verdade, porque o gerente tinha marcado comigo para atualizar a ata do condomínio. Eu falei com ele já durante a greve e ele me recebeu, mas agora disseram que ele não está. Acho que tem coisa que dá para ser resolvida pelo autoatendimento, mas o meu caso não dá para fazer de outra forma”, disse.

A estudante Eva Carolina Eymard, de 30 anos, também não sabe mais o que fazer diante da greve dos bancários. Ela foi vítima de um golpe no cartão de crédito. Ao tentar sacar dinheiro, o cartão ficou preso e um homem ofereceu seu celular para que ela pudesse ligar para o banco. Todo não passava de uma armação e, durante a ligação, ela teve todos os dados roubados. Logo depois, recebeu o extrato no celular e descobriu que R$ 500 haviam sido retirados de sua conta.

Por telefone, a jovem conseguiu trocar o cartão. “Mas eu estou com medo, quero trocar a senha e saber se o banco tem como resolver o meu problema, ressarcir o prejuízo”, disse. Sem atendimento, Eva ainda não conseguiu resolver essa questão. Ela conta que está desde o dia 8 de setembro tentando resolver o problema. “Eu estou na aflição”.

Fonte: ORM/News

144 Total Views 1 Views Today
Compartilhe com seus amigos!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Verifique

No Pará, agentes da PRF apreendem carga ilegal de madeira na rodovia BR-010

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam 15 metros cúbicos de madeira em toras que …

Comentários no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *