A huge collection of 3400+ free website templates JAR theme com WP themes and more at the biggest community-driven free web design site
Home / Notícias Aliança / Casos de zika aumentam 60% no Pará, segundo dados da Sespa
Mosquito aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, febre amarela, chikungunya e zika.

Casos de zika aumentam 60% no Pará, segundo dados da Sespa

Até 11 de maio, foram 49 casos de zika. Para 25 de maio, subiu para 80.
Belém tem o maior registro de dengue, com 406 casos confirmados.

Mosquito aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, febre amarela, chikungunya e zika.
Mosquito aedes aegypti, vetor de doenças como
dengue, febre amarela, chikungunya e zika.

O Pará registrou 3.130 casos de dengue, 80 de zika e onze de febre chikungunya entre os dias 1º de janeiro e 25 de maio deste ano, segundo o oitavo Informe Epidemiológico de 2016 emitido pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) sobre as ocorrências confirmadas das três doenças que são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Em comparação ao sétimo informe, houve aumento de 60% no número de casos de zika, já que foram 49 casos de zika entre os dias 1º de janeiro e 11 de maio deste ano.

Belém tem mais casos de dengue
Dos municípios paraenses com maior ocorrência da dengue, Belém continua a liderar o ranking, com 406 casos confirmados, seguida por Alenquer (289), Oriximiná (256), Pacajá (199), Parauapebas (165), Novo Repartimento (162) e Marabá (117). Em todo o Estado, não houve registro de mortes por dengue em 2016. A Sespa orienta que as Secretarias Municipais de Saúde informem num período de 24 horas a ocorrência de casos graves e mortes suspeitas.

Ocorrências
O vírus da febre chikungunya já foi confirmado onze vezes no Pará este ano, por meio de critério laboratorial adotado pelo IEC: dois casos importados ocorridos em Belém e cinco autóctones – quando a doença é contraída na própria cidade e não vem de pessoas que viajaram para regiões afetadas – no Estado, em Cametá e Marituba. Em 2015, 14 casos importados da doença foram confirmados no Pará.

Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e levam a sintomas parecidos, como febre e dores musculares, mas as doenças têm gravidades diferentes, sendo a primeira a mais perigosa. A dengue, que pode ser provocada por quatro sorotipos diferentes do vírus, é caracterizada por febre repentina, dores musculares, falta de ar e moleza. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

A chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre dez e 15 dias, mas as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a febre por zika leva a sintomas que se limitam a, no máximo, sete dias e não deixa sequelas. Este ano, não há registro de casos de morte provocados pela doença no Pará.

A preocupação com a zika segue os mesmos procedimentos em relação à dengue e chikungunya. Só em 2015, foram registrados 42 casos da doença no Estado. Neste ano, até o momento, 80 ocorrências foram confirmadas pelo IEC, mediante critério laboratorial. O tratamento para a zika é apenas paliativo, de suporte e de correção de sequelas. Logo, é preciso diminuir a incidência do mosquito transmissor. Em 2016 não houve morte por zika no Pará.

Fonte: G1

902 Total Views 2 Views Today
Compartilhe com seus amigos!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Verifique

No Pará, agentes da PRF apreendem carga ilegal de madeira na rodovia BR-010

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam 15 metros cúbicos de madeira em toras que …

Comentários no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *